Zahar

Blog da editora

Entrevista: Leslie S. Klinger

20 de Outubro de 2009
Qual a importância de Um estudo em vermelho na obra de Arthur Conan Doyle?
Um estudo em vermelho é o ponto de partida fundamental para qualquer estudante sério de Sherlock Holmes (e Arthur Conan Doyle). Do ponto de vista do então Doutor Doyle, foi a primeira longa história que escreveu para ser publicada. Infelizmente, ele ganhou muito pouco dinheiro a partir desse belo livro, mas ele estava emocionado ao vê-lo na impressão. Do ponto de vista sherlockiano, não é apenas a primeira história publicada de SH, é muito importante, porque fala da primeira reunião do Doutor Watson e Sherlock Holmes e como essa "parceria" passou a existir.

Desde quando o senhor estuda a obra de Sherlock Holmes? E como começou sua paixão pelo detetive mais famoso do mundo?
Fiquei fascinado com o mundo de Sherlock Holmes, em 1968, quando comecei a ler oAnnotated Sherlock Holmes, de William Baring-Gould (publicado em 1967). Acho que o que mais me interessava era a seriedade com a qual os leitores apaixonados tomaram essas encantadoras histórias. Eu imediatamente me inscrevi no Baker Street Journale começou o prazer em recolher e estudar Sherlock Holmes e seu mundo.

Mesmo hoje, depois de ter comentado toda a obra de Arthur Conan Doyle de forma tão completa e minuciosa, o senhor ainda consegue se surpreender com alguma nova informação e detalhe relacionados ao personagem ou à vida do autor?
Estou constantemente surpreso e encantado que as pessoas venham com novas interpretações, novos conhecimentos, e até mesmo novos fatos sobre Holmes e seu mundo. Eu acho que nunca vamos ficar sem novas descobertas. Olhe para a enorme quantidade de material que foi publicado entre 1967 e 1998, quando comecei a escrever Sherlock Holmes Reference Library.

O senhor é advogado. Por causa da sua profissão, se identifica ainda mais com Sherlock Holmes? O brilhante método de dedução do detetive seria o ideal de qualquer advogado ou quem trabalha com o crime? 
Eu não sou um advogado criminal. Mas a legislação fiscal em especial é muito intelectual e exige "dedução", bem como uma grande dose de raciocínio abstrato. Eu sempre fui fascinado por enigmas e minúcias!
Categorias: Entrevistas