Zahar

Blog da editora

Entrevista: Lars Svendsen

30 de Julho de 2010
O senhor acredita que, mesmo com tantas semanas de moda, revistas dedicadas ao tema e jornalistas especializados, continuamos sem um pensamento sério dedicado à moda? Acredita que precisamos de críticos de moda?
Praticamente tudo relacionado a este fenômeno é marketing, e continua havendo muito pouca reflexão séria na moda. Mesmo não havendo falta de atenção à moda, há definitivamente a falta de uma atenção séria. A produção de um novo desfile ou uma nova revista de moda pouco muda esse cenário. E ainda necessitamos também de críticos independentes de moda que não atuem como uma simples extensão do departamento de marketing das casas de moda. 

Acredita que moda é arte?
Eu não acredito que você possa fazer qualquer distinção entre arte e não-arte, então, acho que eu concordo com Donald Judd: "Se alguém diz que é arte, isso é arte". Da mesma forma, se alguém diz que moda é arte, acredito que é arte. Mas isso em si não é muito interessante. Uma questão mais relevante seria se isso é BOA arte, então eu argumentaria que apenas uma parcela muito pequena da moda pode ser qualificada como boa arte.

Na edição de 2004 do São Paulo Fashion Week, o estilista Jum Nakao apresentou uma coleção de roupas delicadas e bem elaboradas, porém, todas feitas de papael. Ao fim da apresentação, todas as modelos subiram ao palco e começaram a rasgar todas as roupas. Acredita que desfiles como esse levam o público a pensar seriamente em como, por exemplo, é transitória a moda e a vida? O que pensa sobre apresentações como essa?
Não vi esse desfile, mas me parece uma boa ilustração sobre a essência da arte.

Acredita que é possível saber muito sobre uma pessoa só observando suas roupas?
Atualmente, não acredito que as roupas falam muito sobre quem a pessoa é. Poderia dizer algo sobre o nível de renda dessa pessoa, da sua colocação num determinado tecido social, em um determinado grupo etc. Mas não dizem muito sobre características muito importantes da pessoa, como as qualidades morais. Acredito que, se você quer expressar quem você é para o mundo, você se sairá muito melhor se disser isso ou escrever isso, em vez de deixar que suas roupas expressem isso. 

O senhor é um grande admirador da moda ou apenas gosta de pensar a sociedade através da moda?
Uma pessoa pode aprender muito sobre a sociedade contemporânea através da moda. Desde que a moda é parte da sociedade, não pode deixar de expressá-la também em algum sentido. Mas em geral, se você quiser entender a nossa sociedade atual, pode aprender muito mais se for a uma biblioteca do que se for a um desfile de moda.

Qual a sua ligação com o mundo da moda?
Não tenho nenhuma relação com o mundo da moda, exceto como consumidor que quer entender porque atua como atua, por exemplo, por que eu comprei outro caro relógio da Panerai ontem, mesmo eu já tendo tantos relógios.
Categorias: Entrevistas