Zahar

Blog da editora

Entrevista: David Shenk

31 de Março de 2011
Em seu livro há a defesa de que a genética não é tão determinante quanto as pessoas pensam. Mas, na sua opinião, a vida que se leva (a criação, família...) pode determinar o seu sucesso?
O importante que precisamos perceber é que somos seres em desenvolvimento. Isso não significa que controlamos completamente nosso desenvolvimento, mas quer dizer que todo talento e inteligência vem de um processo de desenvolvimento e não de algo inato. Os genes têm uma forte influência, mas eles são ativados ou desativados, de acordo com o ambiente – pela vida que levamos. Os genes nos influenciam, mas nós sempre influenciamos nossos genes. Essa é toda uma nova forma de entender o potencial humano.

Acredita que, no seu caso, sua vida pessoal influenciou na escolhe de seus objetos de estudo? Acredita que é o exemplo de um escritor de sucesso que foi se formando, não nasceu com uma espécie de dom natural?
Não acredito que as pessoas nasçam com talentos ou sem talentos. Nos desenvolvemos em nossas vidas – desde o momento em que somos concebidos até o momento em que morremos. Mas, certamente, não existe talento inato.

Acredita, então, que todos são responsáveis por seus sucessos ou fracassos?
Todos precisam se responsabilizar pelo seu grau de realização, apesar do fato de que ninguém está completamente no controle das circunstâncias de sua vida. Você não pode controlar com que genes vai nascer ou quem serão os seus pais, ou em que cultura você nasceu etc. Mas você continua precisando assumir responsabilidade em relação às suas ações, e pelos seus próprios sucessos e fracassos.

Na sua opinião, é sempre tempo de cultivar talentos?
Nunca é muito tarde para tentar desenvolver habilidades. É claro que todos somos limitados em nossos recursos. E é mais difícil de aprender coisas conforme você vai envelhecendo. Mas, certamente, nunca é tarde demais. Ninguém sabe qual o seu verdadeiro potencial, a não ser que os aplique de forma extraordinária.
Categorias: Entrevistas