Zahar

Blog da editora

Entrevista com Andrew Keen realizada pelos leitores da Zahar no Twitter.

17 de Março de 2009
Pergunta de: http://twitter.com/cssoares - Certa vez, você comentou no seu Twitter sobre o primeiro romance brasileiro readaptado para o micro-blog e publicado por meio da ferramenta. Como você vê essas narrativas em redes sociais hoje?
A ideia de um romance pelo Twitter é, em alguns termos, uma contradição absurda. Romances são escritos por autores individuais que controlam seus passos, sua estrutura e toda a identidade do trabalho. O Twitter é uma ótima ferramenta para postar mensagens curtas, mas que não tem outra utilidade além dessa. O Twitter teria a mesma capacidade de escrever um romance quanto para cozinhar uma refeição, fazer sexo ou jogar futebol.

Pergunta de: http://twitter.com/LeandroDamasc - Diante da dependência gerada pela internet, acredito que, como mídia, ela segue os mesmo caminhos traçados pela TV. Excluindo o capitalismo como motivo, você identifica irresponsabilidade acadêmica por parte dos responsáveis propagadores?
Muitos de nós certamente estão se tornando dependentes da internet e isso é perigoso para nossa saúde mental. Certamente eu não acho que os professores são menos dependentes do que qualquer outra pessoa. Mas propagadores da internet como Lawrence Lessing estão sendo irresponsáveis quando seduzem as massas vendendo o aumento da força e da capacidade individual de esclarecimento por meio da web. Além disso, o oposto também é verdadeiro. A internet hoje está nos tornando menos iguais, mais solitários e mais ansiosos.

Pergunta de: http://twitter.com/mosaicosocial - Acho que sua experiência e conhecimento são vastos, apesar do seu sarcasmo britânico e ironia na forma em que escreve. Como sou brasileira e usuária frequente das redes sociais, provavelmente eu nunca teria conhecido seu trabalho se não fosse pela internet.
Estou bastante entusiasmado com minha ida ao Brasil e aguardo ansiosamente a chance de encontrar meus amigos, leitores e meus críticos. Sou um grande fã de tudo que é brasileiro e farei o meu melhor para limitar meu sarcasmo britânico e ironia nesta viagem!
Categorias: Entrevistas