Zahar

Blog da editora

Alexandre Dumas: a vida de um escritor inigualável

24 de Março de 2016

Alexandre Dumas (1802-1870) é autor de grandes clássicos da literatura de aventura, como Os três mosqueteiros, O conde de Monte Cristo e As aventuras de Robin Hood. Traduzida para cerca de uma centena de idiomas, sua obra já influenciou mais de 200 filmes!

  

Poucos sabem que, apesar de ter se tornado um romancista brilhante, Dumas teve uma infância difícil após a morte do pai, general da Revolução Francesa e o único homem negro a alcançar a alta hierarquia em um exército na Europa do século XVIII. As aventuras vividas pelo pai impressionaram o filho, que as usou como inspiração para escrever seus livros.

 
Alexandre Dumas


General Thomas-Alexandre Dumas 

Já adolescente o autor e sua família se mudam para Paris. Após terminar sua formação e com um empurrão das conexões aristocráticas de seu falecido pai, Dumas adotou um estilo de vida boêmio e passou a escrever para jornais e peças de teatro.

Minucioso em sua escrita, Dumas montou por mais de quinze anos Memórias gastronômicas de todos os tempos, hoje reconhecido como uma das mais importantes obras de referência na gastronomia. O livro, publicado pela Zahar, inclui notas históricas acerca de personagens e fatos específicos, e, como brinde, um "Cardápio D'Artagnan", com as respectivas receitas.

 

Já com Grande dicionário de culinária, Dumas escreveu um livro que ganhou status de "bíblia gastronômica" ao longo de mais de cem anos. Suas centenas de crônicas e receitas formam um vasto painel, em que se destacam tanto clássicos do repertório culinário francês como pratos originais e exóticos dos mais diversos países, além de incluir 615 verbetes, relatos históricos, cartas a leitores, descrições científicas e crônicas literárias e gastronômicas, mais de 400 receitas e 275 ilustrações de época.

Em Napoleão, o interesse de Alexandre Dumas por história toma um caminho tão suculento quanto as receitas de seus livros de gastronomia, ao oferecer um retrato enxuto e eletrizante de Napoleão Bonaparte, o pequeno corso que levaria a França à condição de império dominando grande parte do mundo e transformando-o geográfica, jurídica e culturalmente. Inédita no Brasil, a edição traz farto material adicional de referência.

A escrita ágil e envolvente de Dumas também criou uma das mais célebres versões de Robin Hood. Ambientado na Inglaterra nos séculos XII e XIII, As aventuras de Robin Hood traz as aventuras do personagem-título e seu bando em busca de justiça, igualdade e também diversão. O livro reúne em um único volume os dois textos integrais de Dumas sobre o herói: O príncipe dos ladrões e O proscrito, publicados postumamente em 1872 e 1873.

  

Seu talento com a pena também deu origem ao livro A mulher da gargantilha de veludo, livro que reúne contos de terror em que o autor  criou ambientes soturnos, habitados por vampiros e fantasmas. A obra está disponível em formato digital.

Apesar de ter sido um sucesso comercial, de crítica e de público por seu inegável talento, a vida de Alexandre Dumas foi marcada por ser um homem negro numa França imperialista que amargava a independência da colônia de Saint-Domingue, atual Haiti.

Em 2002, a França reconheceu o racismo que Dumas sofreu em vida, e seus restos mortais foram transferidos para o Panteão de Paris, onde grandes figuras da história francesa estão enterrados ou têm monumentos. Na ocasião, Jacques Chirac, então presidente francês, disse: “Contigo, nós fomos D'Artagnan, Monte Cristo ou Balsamo, cavalgando pelas estradas da França, percorrendo campos de batalha, visitando palácios e castelos – contigo, nós sonhamos.”

 

 

Categorias:

Comentários

Regina Helena M...

Excelente Blog!!Gostei do artigo sobre Alexandre Dumas...ótimas dicas de leitura. Vou seguir o Blog!!!Parabéns à Editora!!!

03 de Abril de 2016

Bruno

Tem alguma previsão pra lançar impresso "A mulher da gargantilha de veludo"?

02 de Novembro de 2016

zahar

Olá, Bruno. Por enquanto não temos previsão de reimpressão para esse livro.

03 de Novembro de 2016

Comentar