Zahar

R$ 89,90
R$ 59,90

Ficha Técnica

Lançamento: 30/4/2015
Assunto: História
Tradutor: André Telles
480 páginas
16x23cm
1ª edição
ISBN 9788537814062
Código: Z1419

Crer e destruir

Os intelectuais na máquina de guerra da SS nazista
                
Assunto: História

Apoiado por uma incansável investigação, o autor retraça o destino dos intelectuais que formavam uma das principais elites de Hitler

Brilhantes, jovens e cultos, eles tinham pela frente um futuro notável como advogados, economistas, historiadores e filósofos. Mas preferiram o engajamento nos órgãos de repressão de Hitler, em particular a SS - a famosa e temível unidade de proteção da elite do Partido Nazista - e seu Serviço de Segurança (SD).

Especialista em estudos da guerra e nazismo, Christian Ingrao investiga os mecanismos de cooptação política, científica e ideológica de oitenta jovens da elite intelectual pela ideologia nazista e pela ideia do extermínio em massa. Partindo de uma pesquisa exaustiva nos arquivos do Terceiro Reich, e de um profundo estudo do contexto universitário alemão da época, ele reconstrói o trajeto de homens que escolheram fazer parte das instituições mais assassinas e sanguinárias do século XX.

Como ensina Ingrao, a história do nazismo é tecida não só de experiências pessoais, mas também de fervor e angústia, utopia e crueldade. E, graças a este estudo pioneiro, podemos compreender hoje o percurso desses homens para crer e destruir.

"É o que torna essa história profundamente perturbadora: lembrar que o nazismo suscitou um imenso 'fervor'. Não só entre as massas, mas também dentre aqueles de quem se poderia esperar que a inteligência e a cultura fossem baluartes contra a abjeção." Le Monde

"Um estudo importante e original sobre ideologia e experiência... Oferece uma explicação diferente e poderosa de como homens instruídos se tornaram executores de assassinatos em massa." Richard Evans, Universidade de Cambridge

"Com grau de detalhamento envolvente, Christian Ingrao nos guia de maneira astuciosa e segura por esse mundo chocantemente normalizado." Geoffrey Eley, Universidade de Michigan

Compartilhe

Comentar